Responsabilidade social?

Li uma matéria na revista do IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) hoje e fiquei realizada! O professor da UMESP Wilson Bueno diz tudo o que eu penso sobre responsabilidade social empresarial. Uma grande MENTIRA! São pouquíssimas as empresas que podem se auto-intitular socialmente responsáveis. Eu nem me arrisco a apontar uma, por não conhecer os trâmites da implantação deste processo internamente.

Uma das coisas que ele diz e que vai ao encontro do que eu sempre pensei é: como uma empresa como o Mc Donalds pode ser considerada socialmente responsável, se sua essência é prejudicial à sociedade? Além de vender alimentos que só contribuem com a obesidade (mesmo tendo uma linha de produtos naturebas só para disfarçar… ), o seu marketing é anti-ético, pois tem como foco as crianças.

Sugiro fortemente que todos leiam esta entrevista. Vou colocar a íntegra aqui (mesmo grande) pois fico com receio da página deles sair do ar daqui a algum tempo.

Revista n° 143 – Maio de 2010
Entrevista:
Muito blá blá blá e pouca prática
Já faz algum tempo que o termo responsabilidade social está na “moda” e faz parte do vocabulário das grandes empresas. Mas será que ela é realmente praticada? O tema vem sendo bastante discutido por conta da ISO 26000 – a norma da responsabilidade social -, que deve ser publicada em dezembro deste ano. O documento será finalizado de 15 a 21 de maio em uma reunião em Copenhague, na Dinamarca. O jornalista e associado do Idec Wilson da Costa Bueno falou à REVISTA DO IDEC sobre este e outros assuntos.

Além de escrever artigos para diversos veículos, editar sete sites temáticos em comunicação e manter o blog www.blogdowilson.com.br atualizado, Wilson Bueno também leciona na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), em cujo campus concedeu esta entrevista, e é professor aposentado da Universidade de São Paulo (USP).

Também é autor de alguns livros nas áreas do jornalismo especializado em que atua (científico, ambiental, em saúde e em agronegócio).

Sem papas na língua, Wilson citou empresas que mais falam do que fazem e criticou colegas de profissão que parecem ter esquecido como fazer bom jornalismo.

Idec: Os termos responsabilidade social e marketing social estão cada dia mais presentes no discurso das empresas. Qual a diferença entre eles? Eles também estão presentes na prática das empresas?
Wilson da Costa Bueno:
As empresas costumam confundir as duas coisas, tanto no discurso quanto na prática. Elas insistem em se proclamar socialmente responsáveis, mas na verdade estão desvirtuando o conceito, praticando ações pontuais para tentar se caracterizar em sua totalidade. E eu diria que nem é por desconhecimento, é voluntário, para aparecerem bem na foto. Isso acontece em alguns setores específicos, por exemplo, na indústria agroquímica, de mineração, de papel e celulose, tabagista e da saúde. Há uma diferença essencial entre responsabilidade social e marketing social. No marketing a intenção é explicitamente mercadológica, e do ponto de vista prático pouca coisa remete à comunidade. Passado o interesse em fortalecer a marca ou em ter um resultado qualquer, as empresas abrem mão dele, muitas vezes deixando profissionais ao relento. Ação pontual todo mundo pratica, até traficantes e políticos corruptos praticam boas ações. Do meu ponto de vista é necessário recuperar a totalidade e não apenas focar em coisas pontuais, como o McDonald´s, que inventou o McDia Feliz, mas continua contribuindo para a obesidade infantil, manipulando a consciência de jovens e crianças. As empresas tentam escapar com a doação de parte da receita. Já responsabilidade social seria um compromisso de gestão, de filosofia de negócios, e não uma ação pontual. Ações pontuais não devem ser confundidas com o conceito mais amplo e autêntico de responsabilidade social.

Idec: A responsabilidade social entrou em cena pela “porta” da questão ambiental, sobretudo nesta última década. O que você acha que terá mais destaque agora? Ou a questão ambiental ainda predominará por muito tempo?
WCB:
Tem havido a valorização de outro conceito, parece que mais abrangente, que é a sustentabilidade. É normal encontrar nos portais das grandes corporações o menu [link] sustentabilidade, dentro do qual está o de responsabilidade social. Por terem avacalhado o conceito e todo mundo ter virado socialmente responsável, isso não serve como diferencial. Sustentabilidade engloba responsabilidade social, responsabilidade ambiental e responsabilidade do ponto de vista econômico.

Idec: Existem muitos exemplos de marketing verde falsos, que colocam em risco a ideia de responsabilidade social. É possível fazer marketing social sem falsidade?
WCB:
É possível, mas não tem sido essa a prática das grandes corporações, como McDonald´s, Nestlé, Monsanto, Syngenta e Souza Cruz, que nem podem ser socialmente responsáveis porque, por essência, são predadoras. A indústria agroquímica não pode ser socialmente responsável porque sua essência é fazer as pessoas usarem veneno, além de emporcalhar a água e o solo. A Souza Cruz pode fazer o que quiser, mas nunca vai conseguir eliminar sua essência, que é fazer as pessoas fumarem e morrerem ou terem doenças devido ao consumo de cigarro. É preciso ficar atento às ações de marketing social porque elas podem ser, no mínimo, safadas. Imagine uma universidade que, só porque diminui a mensalidade, diz que está praticando responsabilidade social, quando a gente sabe que tem vaga pra burro sobrando. Essas ações sociais ou ambientais são, na verdade, meras tentativas de manipulação.

Idec: Você cita muitos cases de empresas que se autoproclamam socialmente responsáveis ou que são premiadas por serem consideradas as melhores para se trabalhar. Como o consumidor pode reconhecer as empresas verdadeiramente responsáveis?
WCB:
Algumas acabam sendo facilmente desmascaradas porque fazem coisas que ficam evidentes. Outras não, por exemplo, as que ganham prêmios e constroem seus cases a partir de agências e assessorias. Um case importante que eu denunciei na época foi o da Merck, quando fez o recall do Vioxx – um remédio que ela sabia que podia matar (e matou milhares de pessoas). Quando ela fez o recall, apareceu como uma empresa legal com os consumidores, porque estava tomando a iniciativa de recolher o medicamento. E ela fez todo o esforço, inclusive no Brasil, para apagar todos os rastros, recolher as caixas, deu pista para que os médicos sumissem com os receituários. Aqui no Brasil quase não sobrou gente para processá-la pelos danos que causou, mas lá fora ela teve um problema enorme. Veja as montadoras que fazem recall e jogam o problema no colo dos consumidores. No caso do Stilo, da Fiat, ou do Fox, da Volkswagen, as empresas lesaram o consumidor e depois levam do governo uma multa irrisória. Percebo que isso acontece com muita facilidade porque a legislação é muito frouxa e há cumplicidade do governo com as empresas, que fazem coisas que não fariam em países desenvolvidos. O cubo da roda do Stilo na Europa é de aço e aqui é de ferro fundido, e é por isso que quebra. O banco traseiro do Fox lá fora não tem o mesmo problema que aqui porque as empresas sabem quanto custaria o dedinho de um alemão ou de um americano. Há agroquímicos que são proibidos lá fora e são vendidos aqui porque elas sabem que vai doer muito menos no bolso. Ás vezes, vale a pena pagar a multa, cujo valor é incluído pelos laboratórios nas campanhas publicitárias. Então, uma campanha de 5 milhões fica em 5 milhões e 200 mil, esses 200 mil são a multa. Se a multa fosse de 10 milhões, certamente não fariam isso. A legislação, a cumplicidade e o lobby dessas empresas fazem com que elas se sintam em terreno favorável.

Idec: Você acha que a ISO 26000, que deve ser concluída ainda este ano, vai ajudar na apuração e até na implementação da responsabilidade social das empresas?
WCB:
Acho que apesar de os selos da ISO existirem, o panorama não mudou. As empresas continuam fazendo o que querem, e algumas a gente nem imagina como conseguiram esses selinhos, porque são empresas essencialmente predadoras. Sou um pouco descrente, meio cético. Acho que o debate é importante, mas na prática muitas empresas que têm o selo ISO não o merece. A ISO não garante muita coisa, pois parece que todo mundo tem.

Idec: Temos visto que o número de recalls aumentou. Isso significa uma vigilância maior e um sistema de notificação um pouco mais organizado?
WCB:
O fato de as empresas estarem promovendo recalls não significa que estejam controlando a qualidade e a excelência da produção. Não é possível que em um século elas não tenham aprendido a fazer carros. Nesta época em que temos recorde de produção de automóveis e concorrência cerrada, as empresas estão cuidando menos do processo de fabricação. Acho que estão ocorrendo recalls demais em todas as montadoras, até em empresas mais responsáveis, como a Toyota e a Volvo, que vende a ideia de segurança. Estão todas sob suspeita, e no Brasil o desmando é grande porque a cobrança do consumidor ainda é menor do que deveria. É muito fácil colocar anúncio de um quarto de página dizendo que 400 mil pessoas devem procurar a concessionária e agendar o conserto para os próximos três meses. Enquanto isso, o consumidor fica com um carro perigoso. Isso é maluco!

Idec: Algumas empresas já perceberam que para controlar sua imagem e reputação não basta apenas comandar a grande imprensa, também é preciso intervir nas chamadas redes sociais, como Facebook, Orkut, Twitter. O que você acha que mudará no futuro: as empresas, as redes sociais ou há uma terceira alternativa?
WCB:
Talvez existam outras alternativas dentro das redes sociais, mas acho que, de qualquer forma, temos evoluído para um cenário no qual o controle das empresas é menor, e por isso as informações sobre desmandos e abusos vazam mais. Escrevi um artigo com a ideia de mostrar que as empresas ainda não têm a cultura de dialogar nas redes sociais. Elas tentam fazer pressão, chantagem, cooptar pessoas que são protagonistas na rede, mas não têm a cultura da interação, do diálogo, da transparência. Mas acho que já houve uma mudança importante. Quando havia uns poucos jornaloides que dominavam o mercado da comunicação, era fácil os anunciantes usarem isso como tapa-boca. Hoje, eles até continuam fazendo isso, mas o número de alternativas para expressão em blogs e nas redes em si é maior, e sendo maior fica mais difícil controlar e silenciar todo mundo. Portanto, a tendência são os abusos aparecerem com mais frequência, e as empresas sabem que isso causa um impacto brutal em sua imagem e reputação. As empresas estão usando uma tática antiga que é tentar identificar os adversários para ver se conseguem silenciá-los. É mais fácil para elas fazer isso que mudar de postura. Mas como acho que não vai funcionar, algumas vão ter que mudar. As redes sociais trazem um cenário diferente – de pluralismo e de não controle. Suborno, propina e amizade com os grandes monopólios de comunicação garantiam tudo. Hoje, o controle é menor porque não se consegue comprar todos os blogueiros e twitteiros.Idec: O que é interessante na internet é o jogo de esconde-esconde, porque você não consegue ver o tamanho do outro…
WCB:
As empresas estão assustadas com isso, porque elas não têm controle, mas isso é bom. Vou dar um exemplo: há alguns anos eu recebia repetidamente na minha caixa de correio o folhetinho de responsabilidade social da Souza Cruz. Eu ficava profundamente irritado, porque eu tenho plena consciência de que a indústria tabagista nunca será socialmente responsável, já que a essência dela é vender um produto que mata as pessoas. Eu escrevi vários artigos sobre a responsabilidade social da indústria tabagista. Se você entrar no Google e digitar responsabilidade social da indústria tabagista, a Souza Cruz e a Philipp Morris não aparecem. É uma forma que a gente tem de mostrar uma outra posição que não é, necessariamente, aquela hegemônica que ela conseguiu controlando monopólios da comunicação. Isso é um dado importante. Nesse espaço [na internet] as empresas estão em desvantagem e isso é bom porque antigamente eu teria que contar com o apoio do Estadão ou da Folha. Mas eu vejo um problema: quem patrocina os cursos de formação de jornalistas do Estadão e da Folha hoje são Odebrecht, Philip Morris, Syngenta e Oi. Há uma hipocrisia, um cinismo dos grandes conglomerados de comunicação, porque, embora eles digam uma coisa no editorial, eles fazem outro jogo no departamento comercial. Os cursos para formação de jornalista do Estadão e da Folha são exemplos disso. Os parceiros são os menos éticos possíveis.

Idec: O consumo consciente depende não apenas de informação qualificada, mas de informação articulada. Onde o consumidor deve buscá-las?
WCB:
No caso do Brasil, na autorregulação, mas não acho razoável imaginar que o setor de alimentos, por exemplo, vá regular a propaganda de alimentos. Tenho restrições ao próprio Conar [Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária], pois acho que ele só toma medidas eficazes quando há pressão social. O ideal seria fortalecer as entidades independentes, que são poucas no Brasil. Sou adepto ideológico do Idec, porque sua independência em relação às empresas permite que ele possa avaliar e denunciar. O Conar pode tomar uma decisão, mas pode demorar o suficiente para a propaganda sair do ar. Isso não aconteceu com a Schincariol [no caso da propaganda da cerveja Devassa Bem Loura], mas certamente ocorre com a Ambev, com a qual o Conar é mais tolerante. Não acredito na autorregulação, creio que a sociedade tem de estar vigilante a partir de entidades independentes que possam monitorar as propagandas o tempo todo. A autorregulação é hipocrisia. Já que o governo é fraco, acho que essas entidades independentes é que podem alertar a população e conscientizá-la, além de encaminhar propostas de luta.

Idec: Como você vê o fato de alguns temas sensíveis e ainda bastante desconhecidos, como transgênicos e nanotecnologia, serem abordados na imprensa como algo positivo?
WCB:
Fico profundamente irritado com o fato de, no Brasil, os estudos sobre as vantagens dos transgênicos serem feitos sempre pela mesma empresa – a Céleres. Se você entrar no site, entre seus clientes estão todas as empresas de biotecnologia (Du Pont, Monsanto, Syngenta…). E a imprensa continua divulgando os estudos da Céleres como se fossem isentos. Esses estudos são completamente viciados, no mínimo suspeitos. E a imprensa é pouco investigativa, come nas mãos deles. Esses temas controvertidos acabam tendo uma única fonte, que são os executivos das empresas, não há debate com a sociedade, não há a presença de fontes contrárias. A imprensa brasileira está sendo pautada pelas empresas, e aí, evidentemente, compramos gato por lebre, sobretudo em alguns setores, como biotecnologia, nanotecnologia, agroquímico e saúde, o que é uma vergonha, um escândalo. Há total falta de espírito crítico por parte da imprensa brasileira, com raríssimas exceções. Tivemos recentemente uma decisão que condenou a Shell e a Basf a pagar as despesas médicas de funcionários (e de seus filhos) de uma unidade de agrotóxicos em Paulínia [cidade do interior de São Paulo]. Nenhum jornal deu a notícia [pelo menos até a realização desta entrevista, no início de abril]. Eu ouvi na CBN. E sabe por que eles não deram? Por falta de interesse. Não é nem problema de anúncio, porque essas empresas nem sempre são grandes anunciantes da mídia impressa. É falta de vergonha na cara e de capacidade de investigação. Os jornalistas ficam à mercê das notícias que chegam às redações e não vão buscá-las na rua. Isso é péssimo para nós porque o interesse público está sendo deixado em segundo plano.

Idec: É preguiça ou má formação dos jornalistas?
WCB:
Eu acho que é preguiça, pois ficam com a bunda na cadeira. Ficam a reboque dos espetáculos e das tragédias, como a do Rio de Janeiro [os desmoronamentos que ocorreram em função das fortes chuvas no mês de abril]. Esses fatos precisam ser cobertos, claro, mas tem coisa acontecendo do nosso lado que estamos deixando de comentar. Até algo positivo, como essas empresas que foram condenadas pela Justiça [Shell e Basf].

As empresas de transgênicos, por exemplo, usam o argumento que a resistência a elas vem das empresas de agrotòxicos, mas a mesma empresa que produz transgênicos, produz agrotóxicos. Portanto, esse argumento é idiota, mas a imprensa o publica sem questionar, sem perguntar qual é a empresa de agrotóxico que provoca resistência. Falta senso crítico. Por isso acho que o nosso papel como cidadão é denunciar, é botar a boca no trombone, é incentivar o uso das redes sociais para esse trabalho de enfrentamento e valorizar as entidades independentes. Não dá para depender das empresas e do sistema de autorregulação.


Fonte: Revista do IDEC

http://www.idec.org.br/rev_idec_texto_impressa.asp?pagina=1&ordem=1&id=1194

Anúncios

Teatro ensina a usar o dinheiro

por Marcelo Onaga – Portal EXAME

Uma parceria entre a empresa de pagamento eletrônico Visa e o Banco do Brasil levará ao palco uma peça chamada “Teatro Finanças Práticas”. O espetáculo estreia na próxima segunda-feira, às 15h, no Centro Cultural do Banco do Brasil, em São Paulo. A plateia será composta exclusivamente por estudantes de 10 a 17 anos das escolas públicas convidadas para assistir ao projeto, que estará em cartaz durante dez segundas-feiras. A ideia do roteiro é mostrar por meio de três atos como é possível o adolescente economizar a própria mesada, ajudar a diminuir as despesas do lar e fazer um planejamento financeiro para a vida adulta. Para tornar esses temas mais palatáveis e interessantes, serão contadas histórias do cotidiano de meninas e meninos que aprenderam o significado das finanças pessoais na prática.  A iniciativa, que deverá contemplar outras cidades brasileiras, faz parte do programa de educação financeira da Visa, que, no ano passado, em parceria com o Banco do Brasil, lançou um game que ensinava conceitos sobre investimentos por meio de uma partida de futebol. (T.B.)

quarta-feira, 5 de maio de 2010 – 13:35

http://portalexame.abril.com.br/blogs/primeiro-lugar/2010/05/05/teatro-ensina-a-usar-o-dinheiro/

________

Essa notícia me levou a relembrar uma experiência recente que tive com este assunto. Pude participar de uma palestra sobre educação financeira ministrada por um grande banco e o que vi por ali me surpreendeu. Comecei a refletir sobre aquela iniciativa. Afinal, por que razão a educação financeira se tornou uma preocupação de algumas empresas, especialmente bancos?

Penso que a falta de crédito é um problema para o mercado. As empresas não querem quem não pode pagar pelos seus serviços. Além de ser um problema social, a dificuldade de administração do dinheiro representa um problema também para as empresas. Mesmo o financiamento e o crédito não são vendidos a quem não tem condições de pagar por eles. Portanto, saber lidar com o dinheiro é bom para as empresas.

Além disso, quem tem dinheiro e sabe poupar, usa-o para ganhar mais dinheiro. O mercado financeiro de ações é um bom exemplo de como fazer seu dinheiro render e também enriquecer os bancos. Também temos outros produtos como seguros, previdência etc. Eles também ensinam esses “macetes” às crianças e jovens.

É por essas e outras que desconfio fortemente de iniciativas como essas. Ficamos com a sensação de que está havendo uma humanização do mercado, mas na prática, o que existe são meros ajustes para que não haja perdas futuras. Mera gestão de negócios, fidelização de clientes, e toda a conversa fiada que já conhecemos.

Agência chama criança de Pateta para vender viagem

20/04/2010

Renata, 11, combinava com uma amiga viajar em julho para a Disney. Questionada pela mãe, que não sabia de excursão nenhuma, a menina pegou uma pasta com preços do pacote tu­rístico e uma foto em que, ao la­do da colega e de um boneco do personagem Mickey Mouse, segurava a placa com os dize­res: “Se eu não for para a Disney vou ser um Pateta”.

A pasta foi entregue na escola onde a menina estuda, o Liceu Di Thiene, em São Caetano(Grande São Paulo), no começo do mês passado. Era uma pro­moção da agência de viagens “Trip&Fun”, que organiza via­gens de crianças e adolescentes também para Cancún, Barilo­che e Costa do Sauipe.

Com a publicidade que já le­vou o personagem da Disney para dentro de mais de dez es­colas, e tira fotos com as crian­ças segurando plaquinhas co­mo a do Pateta, a agência levaráem julho cerca de mil criançaspara o parque em Orlando. Os pacotes custam a partir de R$5.216, para 13 dias em quarto quádruplo (o mais barato).

“Quer dizer que você é uma pateta porque você não vai?”,perguntou à filha Renata a pe­dagoga Roberta, 40.

A menina diz que ficou triste. “Queria muito ir. Quase todomundo da sala vai”, conta. Para a mãe, que fala em processar a agência, o sentimento predo­minante foi a vergonha em re­lação aos colegas. “Ela ficou cla­ramente constrangida.”

A agência e a escola afirmam que não pretendiam constran­ger ninguém e que a placa do Pateta era apenas uma brinca­deira.

O promotor da área do con­sumidor João Lopes Guima­rães Júnior diz que o caso ilus­tra bem os abusos na publicida­de infantil. “De uma turma de cem crianças, 80 vão viajar. As que não vão, porque os pais não
querem ou não têm dinheiro,serão chamadas de Pateta. Já temos problemas sério de bull­ying nas escolas. Essa empresa está criando uma situação pro­pícia para isso. Como se pode falar em preservação da ima­gem da criança com esse tipo de publicidade?”, diz.

Publicidade infantil

Para o promotor, a ação da agência de turismo fere os arti­gos 15 e 17 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), que prezam pelo “respeito à digni­dade e a inviolabilidade da inte­gridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente”.

O Instituto Alana, ONG que trabalha para regulamentar a publicidade infantil, critica as ações em escolas. “Muitas ve­zes, acontece e o pai nem sabe. É absurdo isso ser feito dentro das escolas”, diz Laís Fontene­ lle Pereira, coordenadora de educação da ONG.

O Conar (conselho de autor­ regulamentação publicitária) já baniu propagandas por consi­derá-las desrespeitosas, como uma do ovo de Páscoa Traki­nas, de abril de 2008, que dizia: “Quem não dá ovo é um mané”.

Folha de S. Paulo
, Cotidiano, 20/4/2010
Link: http://www1.folha.uol.com.br/folha/videocasts/ult10038u723037.shtml

Outro lado

Para agência e escola, placa é só brincadeira

A agência Trip&Fun afirmou que a placa que as crianças do Liceu Di Thiene e mais de outras dez escolas seguravam na foto e que faziam referência ao Pateta era apenas uma brincadeira. A empresa disse também que recebeu uma reclamação de uma mãe de aluno do colégio e imediatamente excluiu a placa com esses dizeres da promoção nas escolas.

Henrico Esichiel, diretor de marketing da agência, afirmou ontem que a campanha nas escolas oferece aos estudantes “outras opções de placas”. Entre elas, as que dizem: “Mãe, quero conhecer o Mickey de verdade” e “Meu presente de Natal já escolhi, ir para a Disney com a Trip&Fun”.

“Os alunos escolhem a que eles querem segurar. [A do Pateta] é a mais popular, a que eles acham mais legal”, diz.

A empresa diz que a promoção já aconteceu em pelo menos dez escolas e, na metade delas, a placa foi usada.

A aluna Renata confirma que escolheu a placa. “Era a mais legal. O Pateta é o de que eu mais gosto, é o mais engraçado.”

Escola

O Liceu Di Thiene diz que uma coordenadora da escola acompanhava as crianças na hora das fotos, mas que ela não viu nada de errado na frase.

“Ela não viu a mensagem da forma [pejorativa] que está sendo colocada”, diz um dos diretores da instituição, Eleandro Monteiro.

“Eu não entendo que o Pateta é um pateta. Pateta é o nome de um personagem. Vocês estão criando um negócio que é absurdo”, complementa.

Ele disse, no entanto, que, ao receber uma reclamação de uma mãe, entrou em contato com a agência e pediu para que a placa deixasse de ser usada.

“[A placa] não tinha a intenção de constranger ninguém.

Só uma mãe me questionou, nenhuma criança levou isso tão a sério”, diz o diretor. A mãe de Renata disse que não foi ela quem levou o caso do Pateta à direção do colégio.

O colégio cobra mensalidades em média de R$ 500 no ensino fundamental e tem cerca de 400 alunos.
“Nenhuma criança chamou a outra [de Pateta]. O perigo de tudo isso é essa mãe [que fez a denúncia à Folha] expor a criança dessa forma.”

Colaboraram FERNANDO ITOKAZU, da Reportagem Local, GUILHERME GENESTRETI e LUIZ GUSTAVO CRISTINO

Folha de S. Paulo
, Cotidiano, 20/4/2010
Link: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2004201003.htm

ANÁLISE

Para que se educa?

Por Michelle Prazeres*

No ato de uma empresa de turismo usar escolas como mídias para divulgar viagens à Disney está em jogo, acima de tudo, uma concepção de educação. Para que educamos? Para o desenvolvimento? Para o crescimento? Para sermos bem-sucedidos no mercado de trabalho? Para a vaidade e o hedonismo? Para a cidadania e a dignidade? Ou a ênfase está na formação de consumidores?

Interessa aqui discutir a educação como processo amplo de formação dos indivíduos, socializados por influência de múltiplas matrizes culturais, que transmitem valores, visões de mundo, saberes e percepções.

Na modernidade, as mídias e a publicidade despontam como matrizes que -com a família, a escola, os grupos de pares, os colegas de trabalho e outras instituições- são responsáveis pela formação das pessoas.

Nessa iniciativa, a escola se alinha ao discurso do consumismo que vemos hoje em dia, em especial na mídia dirigida a crianças. Quando a escola se entrega a esse projeto, fica comprometido o seu papel enquanto reduto de reflexão e o sentido da educação como processo de preparação para a vida.

A escola é o lugar do saber legítimo, que se crê oficialmente importante para ser passado. O problema é que, historicamente, esse saber é produto de disputas de poder nem sempre democráticas. E se, nos tempos modernos, um dos vetores de poder é a publicidade (o mercado), seria “natural” que ela estivesse na escola.

Mas, se o “clima pró-consumo” já existe em tantas outras instâncias, a escola deve reforçá-lo? Ceder ao apelo publicitário é empobrecer o sentido humano da educação. E esse sentido enxerga nas crianças outras possibilidades além de consumidores: leitores, produtores de conhecimento, investigadores, críticos, lúdicos etc.

Hoje, todo espaço público, todo corpo pode virar um meio de divulgar uma marca. Na escola, a criança percebe aquele discurso como positivo e, mais grave, que tem o respaldo de pessoas em quem ela e os pais confiam. E tudo de maneira dócil. Por isso não nos causa incômodo. Mas deveria incomodar.

*Michelle Prazeres, jornalista, desenvolve pesquisa sobre a entrada das mídias nas escolas em doutorado na Faculdade de Educação da USP.

Folha de S. Paulo, Cotidiano, 20/4/2010
Link: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2004201004.htm

entrevista

“Escola é diferente de shopping”

Para João Matta, professor de publicidade infantil da ESPM, há excesso de moralismo nos que criticam a publicidade para crianças e pedem seu banimento. Ele afirma, porém, que a escola é “um espaço que precisa ser preservado”. “É diferente de um shopping.” (TB)

FOLHA – Por que fazer publicidade para criança?
JOÃO MATTA –
Quando você tem uma publicidade feita para a criança, também indiretamente atinge o pai. O que se busca na publicidade infantil é o envolvimento da criança no mercado consumidor porque ela é uma consumidora. Há produtos em cuja compra a criança influencia muito mais, como no caso dos brinquedos.

FOLHA – Como vê as críticas à publicidade infantil?
MATTA –
O que me preocupa é um excesso de moralismo em relação ao público infantil, desprezando um pouco a capacidade dele. É lamentável [defender que não haja propaganda para crianças]. A criança não tem só o estímulo do produto infantil. Ela assiste à novela das oito, ela tem acesso ao noticiário, viu a simulação da morte da Isabella [Nardoni] na TV mais de 50 vezes, que é absurdamente mais agressivo que uma propaganda que fale para ela comer uma maçã, que a propaganda de uma boneca.
Mas na escola tenho uma visão mais pragmática. É um espaço que precisa ser preservado. É diferente de um shopping.

Folha de S. Paulo, Cotidiano, 20/4/2010
Link: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2004201005.htm

Fonte: Instituto Alana – notícias

Leonardo Boff- A Terra sujeito de dignidade e de direitos

Neste texto, publicado no Instituto Akatu, o teólogo e professor Emérito da UERJ  toca nos aspectos principais de suas reflexões, publicadas em seus livros. O autor parte da idéia central de que a Terra em si é um organismo vivo e, por isso, precisa ser cuidada como todo ser vivente.Ele se apóia especialmente na ciência cosmológica e na física quântica.

Assim, é preciso compreendê-la como um organismo autônomo, passível de direitos, que seriam “[…] de poder continuar inteira, limpa e com capacidade de reprodução e de regeneração.”

Partindo deste pressuposto, “está em discussão um projeto na ONU de um Tribunal da Terra que pune quem viola sua dignidade, desfloresta e contamina seus oceanos e destrói seus ecossistemas , vitais para a manutenção dos climas e da vida”.

É uma visão interessantíssima. O texto é sucinto, quem quiser conhecer mais sobre esta teoria, sugiro a leitura dos livros do autor, bem como do DVD “A Quatro Ecologias”. Infelizmente ainda não está disponível no youtube, mas pode ser comprado neste link.

Para ler o texto, clique aqui

Escolas públicas discutem consumo consciente

Notícias

12/4/2010

imagem transparente

Akatu capacita mais de 200 professores e leva temas de consumo consciente e sustentabilidade a mais de 2 mil alunos de escolas públicas estaduais de cinco Estados

Por Rogério Ferro, do Instituto Akatu

Desde o mês passado, cerca de 2 mil alunos de 14 escolas públicas distribuídas por cinco Estados do Brasil – Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio Grande do Norte e Roraima – estão discutindo e refletindo sobre conceitos de consumo consciente e sustentabilidade em sala de aula. A ação constitui a segunda fase do projeto piloto Educação para o Consumo Consciente e Sustentabilidade Ambiental que, em 2009, capacitou 206 professores para a temática. O projeto é desenvolvido pelo Akatu em parceria com secretarias estaduais de Educação e patrocinado pela HP Brasil, parceira pioneira do Akatu.

Na primeira etapa do projeto, os professores participaram de uma formação sobre consumo consciente e sustentabilidade com carga horária de 30 horas. Ao final dessa etapa, cada professor que participou da formação elaborou um projeto temático contendo atividades a serem trabalhadas com os alunos durante o primeiro semestre de 2010.

“Demos liberdade aos professores para que, ao elaborarem seus projetos temáticos pudessem levar em conta a realidade da escola e da comunidade do entorno, buscando atividades que despertem nos alunos a preocupação com a sustentabilidade da vida no Planeta por meio do consumo consciente”, explica Camila Melo, coordenadora do projeto.

Gestão de resíduos, consumo consciente, água, economia solidária e consumo e desigualdade social são os temas mais reincidentes entre os projetos elaborados pelos professores e que estão sendo transmitidos aos alunos neste semestre.

“A participação dos alunos é animadora. Eles gostam do que é diferente, por isso a recepção deles é excelente, demonstrando muito interesse”, relata Vilma Rosane Arrial, professora da Escola Estadual Sylvio Torres, no Rio Grande do Sul, que trabalha o tema Consumo Consciente e Economia Solidária. A professora revela também que, apesar do apoio da diretora da escola e dos alunos, desenvolver a questão ambiental vinha sendo “desgastante” por falta do envolvimento e comprometimento da comunidade. Entretanto “a partir da parceria com o Akatu, isso mudou. O posto de saúde nos propôs um projeto conjunto, um grupo de ‘amigos da escola’ iniciou um trabalho conosco e cada vez mais professores se juntam ao projeto. O sonho tem chances reais de se concretizar”, festeja.

Para Heloisa Mello, gerente de operações do Instituto Akatu, “o projeto responde de forma direta a intenção do Akatu de atuar em escala e velocidade maiores, para ampliar os impactos das ações do instituto”.
“A escola é um espaço fundamental para a formação do cidadão; com projetos como este, portanto, o Akatu contribuirá de forma mais sólida e eficaz para que professores e alunos se tornem potenciais agentes transformadores da sociedade em busca da sustentabilidade”, diz Heloisa.

“Colocamos nossos esforços nas escolas garantindo que consumidores de hoje e amanhã possam ter essa educação que lhes permita escolher melhores práticas, hábitos e até produtos que vão utilizar hoje e no futuro”, declara Kami Saidi, diretor de operações da HP Brasil, que financia o projeto.

O projeto
A primeira fase do projeto foi implantada em 2009 e foram testados três modelos de formação de professores: presencial, semipresencial e à distância. “Esperávamos formar uma média de 120 educadores e, para a nossa surpresa, alcançamos 206. E esse número nos revela o interesse dos professores pela temática, tão urgente em nosso tempo, e nos motiva a continuar disseminando o consumo consciente para esse público”, afirma Camila Melo.
A avaliação dos processos, conteúdos, materiais e resultados das formações e do trabalho com alunos será feita no início do segundo semestre de 2010.  Ao final deste trabalho, o Akatu estima que, além dos mais de 2 mil alunos do ensino fundamental 2 que já vêm discutindo conceitos e práticas de consumo consciente, terá atingido um público indireto estimado em mais de 7.000 pessoas, entre familiares, comunidade escolar e entorno. Outro resultado importante será a identificação de um modelo de formação para o consumo consciente e a sustentabilidade ambiental que será adotado para a continuidade do projeto pelas escolas públicas no Brasil.

Para dar apoio aos professores na realização de seu Projeto Temático, foram enviados 120 livros para cada escola, contendo o material paradidático “Trilha do Consumo Consciente: suas escolhas transformam o mundo”, elaborado pelo Instituto Akatu e voltado aos alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental. Estes livros poderão ficar na biblioteca da escola à disposição dos alunos.

Como complemento ao livro, o Akatu desenvolveu uma plataforma de ensino à distância que, na primeira etapa do projeto, serviu apenas aos professores participantes do modelo à distância e do modelo semipresencial. A partir de agora, a plataforma poderá ser utilizada por todos os professores participantes do projeto, servindo como uma comunidade virtual de aprendizagem em que, além de visualizar os módulos de formação, os professores poderão ter acesso a conteúdos complementares, disponibilizados na biblioteca virtual, tais como vídeos, textos e links.

Na plataforma, os professores também poderão conhecer todos os projetos temáticos criados pelas escolas dos cinco Estados, além de trocar informações e sugestões com todos os professores envolvidos e com a equipe do Akatu. Dessa forma, todos serão beneficiados com as diferentes oportunidades de disseminação do tema.

Fonte: Instituo Akatu

Ricos gastam em três dias o mesmo que os pobres consomem em um ano

Fonte: O Globo Online

24/09/2009

BRASÍLIA – No Brasil, o que um pobre gasta em um ano é o mesmo gasto por um rico – que faz parte de 1% da população – em três dias. A constatação é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que divulgou nesta quinta-feira uma análise com base nos dados apresentados na semana passada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) relativa ao ano de 2008.

-Apesar de estar registrando desde 2001 queda da desigualdade social num ritmo realmente bom, o Brasil ainda é um monumento à desigualdade. Aqui, uma família considerada pobre leva um ano para gastar o mesmo que o 1% mais rico gasta em apenas três dias – informa o pesquisador do Ipea, Sergei Soares.

Para medir o índice de desigualdade do país, o Ipea adotou o chamado índice de Gini, que varia de zero a um. Quanto mais próximo de um for esse índice, menos justa é a distribuição de renda da sociedade. Em 2001, o índice de Gini no Brasil estava em 0,594. Desde então, vem caindo ano a ano, e chegou a 0,544 em 2008.

Sergei explica que mantendo essa tendência recente de redução da desigualdade registrada nos últimos anos, que em média foi de -0,007, “o Brasil levará 20 anos para chegar a um patamar que pode ser considerado justo”. Segundo ele, isso corresponde a um valor de 0,40 no índice de Gini.

O pesquisador sugere que o governo “continue fazendo mais do mesmo”, estimulando programas como o Bolsa Família e o aumento do salário mínimo, e invista em educação e estimule a formalidade no mercado de trabalho.

– Para acelerar esse processo é necessário que façamos mais do que apenas olhar as coisas positivas que têm sido feitas. O indicado é que o país atue de forma a melhorar o sistema educacional e a reduzir a informalidade – afirmou.

– E, claro, isso envolve também medidas que objetivem também a redução da desigualdade racial e regional do país.

Os 20% mais ricos consomem 82,4% de toda a riqueza da Terra

Entrevista com Leonardo Boff.

O texto vale pelos dados que apresenta, embora eu questione fortemente o conceito de modernidade apresentado por ele. Mas isso não vem ao caso, no que concerne à discussão do texto.

Fonte: CPERS- Sindicato

As mobilizações sociais e os alardes sobre os prejuízos que a ação humana vem causando ao meio ambiente não foram suficientes para garantir o fechamento de acordos eficazes durante a 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), em Copenhague, na Dinamarca.
Os líderes mundiais demonstraram mais uma vez preferência pelo desenvolvimento do capital em detrimento da vida. Ainda assim, a postura de desdém para com os problemas climáticos do planeta não está engessando as ações da população na luta por pequenas mudanças. A evidência dada à causa ambiental tem servido para gerar consciência e, aos poucos, mudar maus hábitos de consumo. “O lugar mais imediato é começar com cada um”, acredita Leonardo Boff.

Em entrevista à Adital, o teólogo, filósofo e escritor fala sobre a necessidade de começarmos as mudanças que irão beneficiar a Terra por nós. “Cada um em seu lugar, cada comunidade, cada entidade, enfim, todos devem começar a fazer alguma coisa para dar um outro rumo à nossa presença neste planeta”. Para Boff, não devemos depositar nossas esperanças nas decisões que vêm de cima.

Adital – O senhor acredita na vontade política dos grandes líderes mundiais em reverter a situação climática em que se encontra nosso planeta?

Leonardo Boff – Não acredito. Os grandes não possuem nenhuma preocupação que vá além de seus interesses materiais. Todas as políticas até agora pensadas e projetadas pelo G-20 visam salvar o sistema econômico-financeiro, com correções e regulações (que até agora não foram feitas) para que tudo volte ao que era antes. Antes reinava a especulação a mais desbragada que se possa imaginar. Basta pensar que o capital produtivo, aquele que se encontra nas fábricas e no processo de geração de bens soma 60 trilhões de dólares.

O capital especulativo, baseado em papéis, alcançava a cifra de 500 trilhões. Ele circulava nas bolsas especulativas do mundo inteiro, gerenciado por verdadeiros ladrões e falsários. A verdadeira alternativa só pode ser: salvar a vida e a Terra e colocar a economia a serviço destas duas prioridades. Há uma tendência autosuicidária do capitalismo: prefere morrer ou fazer morrer do que renunciar aos seus benefícios.

Adital – Muito esperada a COP 15, que acontece em Copenhague, Dinamarca, parece não apontar para resultados eficazes e em comprometimentos mais sérios. Qual deve ser o papel da sociedade civil caso os resultados não sejam os esperados?

Leonardo Boff – Chegamos a um ponto em que todos seremos afetados pelas mudanças climáticas. Todos corremos riscos, inclusive de grande parte da humanidade ter que desaparecer por não conseguir se adaptar nem mitigar os efeitos maléficos do aquecimento global. Não podemos confiar nosso destino a representantes políticos que, na verdade, não representam seus povos mas os capitais com seus interesses presentes em seus povos. Precisamos nós mesmos assumir uma tarefa salvadora. Cada um em seu lugar, cada comunidade, cada entidade, enfim, todos devem começar a fazer alguma coisa para dar um outro rumo à nossa presença neste planeta. Se não podemos mudar o mundo, podemos mudar este pedaço do mundo que somos cada um de nós.

Sabemos pela nova biologia e pela física das energias que toda atividade positiva, que vai na direção da lógica da vida, produz uma ressonância morfogenética, como se diz. Em outras palavras, o bem que fazemos não fica reduzido ao nosso espaço pessoal. Ele se ressoa longe, irradia e entra nas redes de energia que ligam todos com todos e reforçam o sentido profundo da vida.

Daí podem ocorrer emergências surpreendentes que apontam para um novo modo de habitar o planeta e novas relações pessoais e sociais mais inclusivas, solidárias e compassivas. Efetivamente, se nota por todas as partes que a humanidade não está parada nem enrijecida pelas perplexidades. Milhares de movimentos estão buscando formas novas de produção e alternativas que respondem aos desafios.

Somente em ONG existem mais de um milhão no mundo inteiro. É da base e não da cúpula que sempre irrompem as mudanças.

Adital – Nunca as questões ambientais estiveram tão em evidência como nos últimos anos. Termos como aquecimento global, mudanças climáticas apesar de vários alertas feitos há bem mais tempo, hoje fazem parte do cotidiano de muita gente em todo o planeta. Nessa “crise civilizatória” ainda há tempo para se fazer algo? De onde poderá vir essa “salvação”?

Leonardo Boff – Se trabalharmos com os parâmetros da física clássica, aquela inaugurada por Newton, Galileo Galilei e Francis Bacon, orientada pela relação causa-efeito, estamos perdidos. Não temos tempo suficiente para introduzir mudanças, nem sabedoria para aplicá-las. Iríamos fatalmente ao encontro do pior. Mas se trocarmos de registro e pensarmos em termos do processo evolucionário, cuja lógica vem descrita pela física quântica que já não trabalha com matéria mas com energia (a matéria, pela fórmula de Einstein, é energia altamente condensada) aí o cenário muda de figura.

Do caos nasce uma nova ordem. As turbulências atuais prenunciam uma emergência nova, vinda daquele transfundo de Energia que subjaz ao universo e a cada ser (chamada também de Vazio Quântico ou Fonte Originária de todo ser). As emergências introduzem uma ruptura e inauguram algo novo ainda não ensaiado. Assim não seria de se admirar se, de repente, os seres humanos caiam em si e pensem numa articulação central da humanidade para atender as demandas de todos com os recursos da Terra que, quando racionalmente gerenciados, são suficientes para nós humanos e para toda a comunidade de vida (animais,plantas e outros seres vivos).

Possivelmente, chegaríamos a isso face um perigo iminente ou após um desastre de grandes proporções. Bem dizia Hegel: o ser humano aprende da história que não aprende nada da história, mas aprende tudo do sofrimento. Prefiro Santo Agostinho que nas Confissões ponderava: o ser humano aprende a partir de duas fontes de experiência: o sofrimento e o amor. O sofrimento pela Mãe Terra e por seus filhos e filhas e o amor por nossa própria vida e sobrevivência irão ainda nos salvar.

Então não estaríamos face a um cenário de tragédia cujo fim é fatal mas de uma crise que nos acrisola e purifica e nos cria a chance de um salto rumo a um novo ensaio civilizatório, este sim, caracterizado pelo cuidado e pela responsabilidade coletiva pela única Casa Comum e por todos os seus habitantes.

Adital – Há varias demandas para que a Corte Penal Internacional reconheça os crimes ambientais como crime de lesa humanidade. O senhor acha que seria uma alternativa?

Leonardo Boff – As leis somente têm sentido e funcionam quando previamente se tenha criado uma nova consciência com os valores ligados ao respeito e ao cuidado pela vida e pela Terra, tida como nossa Mãe, pois nos fornece tudo o que precisamos para viver. Havendo essa consciência, ela pode se materializar em leis, tribunais e cortes que fazem justiça à vida, à Humanidade e à Terra com punições exemplares. Caso contrário, os tribunais possuem um caráter legalista, de difícil aplicação, sem sua necessária aura moral que lhe confere legitimidade e reconhecimento por todos.

Então devemos primeiro trabalhar na criação dessa nova consciência. Eu mesmo estou trabalhando com um pequeno grupo, a pedido da Presidência da Assembléia da ONU, numa Declaração Universal do Bem Comum da Terra e da Humanidade. Ela deverá entrar por todos os meios de comunicação, especialmente, pela Internet para favorecer a criação desta nova consciência da humanidade. A nova centralidade não é mais o desenvolvimento sustentável, mas a vida, a humanidade e a Terra, entendida como Gaia, um superorganismo vivo.

Adital – Por outro lado não se cogita nada do tipo voltado para o consumo, por exemplo, que tem interferência direta no caos em que se tornou a Terra. Poderia falar um pouco sobre isso?

Leonardo Boff – O propósito de todo o projeto da modernidade, nascido já no século XVI, está assentado sobre a vontade de poder que se traduz pela vontade de enriquecimento que pressupõe a dominação e exploração ilimitada dos recursos e serviços da Terra. Em nome desta intenção se construiu o projeto-mundo, primeiro pelas potências ibéricas, depois pelas centro-europeias e por fim pela hegemonia norte-americana. No início não havia condições de se perceber as consequências funestas desta empreitada, pois incluía entender a Terra como um simples baú de recursos, algo sem espírito que poderia ser tratada como quiséssemos. Surgiu o grande instrumento da tecno-ciência que facilitou a concretização deste projeto. Transformou o mundo, surgiu a sociedade industrial e hoje a sociedade da informação e da automação.

Toda esta civilização oferece aos seres humanos, como felicidade, a capacidade de consumo sem entraves, seja dos bens naturais seja dos bens industriais. Chegamos a um ponto em que consumimos 30% a mais do que aquilo que a Terra pode reproduzir. Ela está perdendo mais e mais sustentabilidade e sua biocapacidade. Ela simplesmente não aguenta mais o nível excessivo de consumo por parte dos donos do poder e dos controladores do processo da modernidade. Os 20% mais ricos consomem 82,4% de toda a riqueza da Terra, enquanto os 20% mais pobres têm que se contentar com apenas 1,6% da riqueza total. Agora nos damos conta de que uma Terra limitada não suporta um projeto ilimitado. Se quiséssemos universalizar o nível de consumo dos países ricos para toda a Humanidade, cálculos já foram feitos – precisaríamos de pelo menos 3 Terras iguais a esta, o que se revela como uma impossibilidade. Temos que mudar, caso quisermos superar esta injustiça social e ecológica universal e termos um mínimo de equidade entre todos.

Adital – Até que ponto o senhor acredita que a sociedade civil organizada pode ser agente de uma nova prática de consumo?

Leonardo Boff – Deve-se começar em algum lugar. O lugar mais imediato é começar com cada um. O desafio, face ao problema universal, é convencer-se de que podemos ser mais com menos. Importa fazer uma opção por uma simplicidade voluntária e por um consumo compassivo e solidário pensando em todos os demais irmãos e irmãs e demais seres vivos da natureza que passam fome e estão sofrendo todo tipo de carência. Mas para isso, devemos realizar a experiência radicalmente humana de que de fato somos todos irmãos e irmãs e que somos ecointerdependentes e que formamos a comunidade de vida.

A economia se orientará para produzir o que realmente precisamos para a vida e não para a acumulação e para o supérfluo, uma economia do suficiente e do decente para todos, respeitando os limites ecológicos de cada ecossistema e obedecendo aos ritmos da natureza. Isso é possível. Mas precisamos de uma “metanoia” bíblica, de uma transformação de nossos hábitos, de nossa mente e de nossos corações. Essa transformação constitui a espiritualidade. Ela não é facultativa, é necessária. Cada um é como a gota de chuva. Uma molha pouco. Mas milhões e milhões de gotas fazem uma tempestade, agora um tsunami do
bem.

Adital – O Brasil, por conta da Floresta Amazônica e outra matas nativas, deveria ter um papel fundamental na questão ambiental. Como o senhor avalia a postura do governo brasileiro em relação ao tema?

Leonardo Boff – O governo brasileiro não acumulou ainda suficiente massa crítica nem consciência da importância da floresta amazônica para os equilíbrios climáticos da Terra inteira. Se o problema é o excesso de dióxido de carbono na atmosfera, então são as florestas as grandes sequestradoras deste gás que produz o efeito estufa e, em conseqüência, o aquecimento global.

Elas absorvem os gases poluentes pela fotossíntese e os transforma em biomassa, liberando oxigênio. Ao invés de estabelecer a meta de desmatamento zero e ai ser rígido e implacável, por amor à humanidade e à Terra, o governo estabelece que até 2020 vai reduzir o desmatamento até 15%. E há políticas contraditórias, pois de um lado o Ministério do Meio Ambiente combate o desmatamento, por outro o BNDS financia projetos de expansão da soja e da pecuária que avançam sobre a floresta. Por detrás estão grandes interesses do agronegócio que pressionam o governo a manter uma política flexível e danosa para o equilíbrio da Terra.

Adital – Todavia percebe-se grande atuação de movimentos sociais e entidades em defesa da natureza e cobrando mais de seus governos em âmbitos internacionais. Acredita que haja, no momento, mais empoderamento?

Leonardo Boff – Acredito que a Cúpula de Copenhague terá função semelhante que teve a Eco-92 no Rio de Janeiro. Depois da Eco-92 surgiu no mundo inteiro a questão da sustentabilidade e da crítica ao sistema do capital visto como essencialmente anti-ecológico, pois ele implica uma produção ilimitada à custa da extração ilimitada dos recursos e serviços da natureza. Creio que a partir de agora a Humanidade tomará consciência de que ou ela, a partir da sociedade civil mundial, dos movimentos, organizações, instituições, religiões e igrejas, muda de rumo ou então terá que aceitar a dizimação da biodiversidade e o risco do extermínio de milhões e milhões de seres humanos, não excluída a eventualidade do desaparecimento da própria espécie humana.
Essa consciência vai encontrar os meios para pressionar as empresas, os grandes empreendimentos e os Estados para encontrarem uma nova relação para com a Terra. O problema não é a Terra, mas nossa relação para com ela, relação de agressão e de exploração implacável. Precisamos estabelecer um acordo Terra e Humanidade para que ambos possam conviver interdependentes, com sinergia e espírito de reciprocidade. Sem isso não teremos futuro. O futuro virá a partir da força da semente, quer dizer, das práticas humanas pessoais e comunitárias que criam redes, ganham força e conseguem impor um novo arranjo que garantirá um novo tipo de história.

Rogéria Araújo, da Adital