“Mesmo” não exerce função de pronome pessoal

Essa é uma dúvida que quase ninguém tem… todo mundo acha que está utilizando conforme “manda” a norma culta…

THAÍS NICOLETI DE CAMARGO

“Antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se parado neste andar.” A frase é bem conhecida dos usuários de elevadores -pelo menos, daqueles que vivem na cidade de São Paulo, onde ela integra o texto da lei número 12.722, de 4 de setembro de 1998.

Muito bem. A frase, que freqüentemente tem sido lembrada como um mau exemplo do uso do pronome “mesmo”, enseja uma revisão sobre o emprego desse demonstrativo, que, é bom que se diga, não deve ser usado no lugar dos pronomes pessoais.

É esse, aliás, o defeito principal dessa frase (que tem outros problemas que não cabe aqui comentar) e de uma quantidade de construções frasais típicas de boletins de ocorrência policial, nos quais esse uso parece ter-se tornado uma verdadeira “ferramenta de estilo”. Quem não identifica logo a escrita dos relatórios policiais às construções do tipo “O acusado declarou não ter estado naquele local na hora do crime. “O mesmo” disse ainda que nunca estivera naquele local”?

Vamos entender o motivo de esse uso ser inadequado. O pronome “mesmo” tem origem em dois termos latinos, “ipse” e “idem”, que orientam dois diferentes usos do pronome em português. Com o valor de “idem”, que quer dizer “o mesmo”, denota identidade e emprega-se ao lado de substantivos antepostos por artigos ou outros demonstrativos (“Fez as mesmas observações”, “Dirigiu-se àquele mesmo rapaz”); com o valor de “ipse”, que quer dizer “ele mesmo”, emprega-se ao lado de substantivos ou de pronomes pessoais e significa “próprio”, “em pessoa” (“Ele mesmo deu o recado”).

Esses são os empregos tradicionais do pronome, que, entretanto, aparece em outras situações. Pode ser usado com valor de substantivo no sentido de “coisa semelhante” (“Na semana passada, choveu torrencialmente. Dizem que “o mesmo” ocorrerá nos próximos dias”).

Note-se que “o mesmo” quer dizer “a mesma coisa”, não “ele”. Rigorosamente, portanto, ao dizermos “Verifique se o mesmo encontra-se.

..” (sic), estamos dizendo “Verifique se a mesma coisa se encontra…”, o que não parece ser a idéia de quem formulou a frase.

Como advérbio, portanto como palavra invariável quanto ao gênero e ao número, é empregado para realçar verbos e advérbios, ao quais acrescenta um reforço semântico. Assim: “Ela escreveu mesmo (“de fato”) aquilo?”, “A reunião vai ser lá mesmo (“de fato”)?”. A essa idéia pode associar-se a de dúvida. Numa construção como “Ganhou na loteria? Mesmo?”, a interrogativa “Mesmo?” sugere descrença e surpresa.

Na condição de palavra denotadora de limite, “mesmo” tem o valor aproximado de “até”. Numa construção como “Mesmo as pessoas amigas duvidaram dele”, provavelmente derivada de “Até mesmo as pessoas amigas duvidaram dele”, o pronome que atuava como realce da preposição “até” passou a substituí-la, assumindo o seu valor semântico.

Na locução conjuntiva “mesmo que”, exprime a idéia de concessão, ou seja, de aceitação de uma situação oposta. Assim: “Mesmo que você não me queira ouvir, vou dizer o que acho”.

Palavra de uso constante na língua, “mesmo” admite o superlativo (“mesmíssimo”) e deu origem ao substantivo “mesmice”, um sinônimo um tanto pejorativo de “marasmo” ou “ausência de mudança”.

Folha de S.Paulo, 28 out. 2008.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s